Pesquisar no site

Tag: Saúde

março de 2018

Os cálculos renais ou pedras nos rins se formam quando minerais ficam concentrados na urina, criando pequenos cristais que formam as pedras de tamanho variado. Essas pedras provocam forte dor quando passam pelo canal do ureter.

Os principais sintomas são:

– Dor do tipo cólica, de início súbito e de forte intensidade
– Cólica que começa na região lombar e migra para outras áreas
– Dor abdominal e presença de sangue na urina
– Náuseas e vômito
– Vontade e fazer xixi a toda hora (polaciúria)

Uma das melhores formas de prevenir o problema é beber bastante água, pois ela ajuda a evitar a formação dos cristais. E fique alerta para a cor do xixi: ele deve ser sempre clarinho pois quanto mais amarelo, mais concentrado e, portanto, propício para a formação das pedras.

Caso você esteja com algum dos sintomas acima, procure imediatamente um médico para que ele indique os exames necessários e indicar o melhor tratamento.

Fonte: Dr. Eduardo Muracca Yoshinaga – Urologista
CRM: 120.259

Postado em Notícias por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
junho de 2016

Com a chegada da menopausa, a mulher costuma enfrentar alguns desconfortos. Um deles é a a falta lubrificação na vagina, mais conhecida como secura vaginal. Mais seco, o local torna-se suscetível a coceira e a sensação de queimação, condições que tornam a relação sexual desconfortável, dolorida e algumas vezes até impossível.

Segundo Dr. Carlos Antonio Del Roy, coordenador da área de ginecologia do Hospital Sepaco, a secura ocorre com mais frequência na menopausa pois é quando há a falta de hormônios naturais, que a mulher para de produzir.

Clique aqui para ler a matéria completa.

Postado em Sem categoria, Sepaco na Imprensa por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
maio de 2016

CigarroA Organização Mundial de Saúde (OMS 2014) considera o tabagismo a principal causa de morte evitável em todo o mundo e, ao longo de mais de 20 anos, vem empregando diversas medidas para serem adotadas no sentido de conscientizar a população global dos malefícios do cigarro e incentivar os fumantes a abandonarem o vício.

Segundo o Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), no Brasil, a prevalência de fumantes caiu para 11,3%. O dado é três vezes menor que o índice de 1989, quando a pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou 34,8% de fumantes na população. A meta do Ministério da Saúde é chegar a 9% até 2022. E, neste Dia Mundial da Luta contra o Tabaco, que é comemorado em 31 de maio, Francine Branco, enfermeira da Promoção à Saúde do Sepaco Autogestão, alerta sobre a importância de abandonar o vício para aumentar a qualidade de vida.

Por entender toda a complexidade de abrir mão de algo que, para o dependente, significa “prazer”, a Promoção à Saúde do Sepaco Autogestão, realiza um trabalho dentro das empresas papeleiras que engloba várias medidas e atividades para que as pessoas conheçam todos os aspectos negativos do tabaco para si próprio e também para seus familiares (que se tornam fumantes passivos). O fumante passivo aumenta muito o risco de desenvolver doenças causadas pelo tabaco. Sete não fumantes morrem por dia em consequência do fumo passivo. O tabagismo passivo aumenta em 30% o risco para câncer de pulmão e 24% o risco para infarto.

Francine explica que o tabagismo é uma toxicomania caracterizada pela dependência física e psicológica do consumo de nicotina, uma droga bastante poderosa, capaz de estimular, deprimir ou perturbar o sistema nervoso central e outras partes do corpo humano, uma vez que chega ao cérebro em apenas 7 segundos, sendo de 2 a 4 segundos mais rápida que a cocaína.

Já se constatou que o câncer no pulmão, bronquite e enfisema pulmonar estão diretamente relacionados ao fumo. Existem outras doenças graves que podem ter relação direta com o tabaco e precisam ser tratadas com severidade, tais como o infarto agudo do miocárdio, doenças vasculares – AVE (Acidente Vascular Encefálico) – e diversos tipos de câncer (boca, laringe, esôfago, rim, bexiga e colo de útero).

Durante as atividades, a equipe multidisciplinar da Promoção à Saúde, ainda destaca os riscos da nicotina, pois na fumaça do cigarro é possível encontrar uma mistura de cerca de 4.720 componentes químicos, sendo 39 cancerígenos, como o monóxido de carbono, naftalina e o alcatrão. “Conhecer os malefícios do tabaco pode colaborar para a diminuição de mortes e garantir que cada vez mais pessoas tenham uma vida plena e saudável”, avalia Francine.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
abril de 2016

Doctor holding a heartA Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é a mais freqüente das doenças cardiovasculares. É também o principal fator de risco para as complicações mais comuns como acidente vascular cerebral e infarto agudo do miocárdio, além da doença renal crônica terminal.

Para chamar a atenção da população neste Dia Nacional da Prevenção e Controle da Pressão Arterial, 26 de abril, o dr. Alfredo A. Eyer Rodrigues, cardiologista do Hospital Sepaco, explica que a hipertensão ou pressão alta é caracterizada por níveis elevados e sustentados da pressão arterial, e lembra que cerca de 90% dos casos deste mal não tem uma causa definida.

No Brasil, são cerca de 17 milhões de portadores de hipertensão arterial, 35% da população com, pelo menos, 40 anos. Esse número é crescente e o aparecimento desta doença está cada vez mais precoce. Estimativas apontam que cerca de 4% das crianças e adolescentes também sejam portadoras. A carga de doenças representada pela morbimortalidade devida a esta doença é muito alta e por tudo isso a Hipertensão Arterial é um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo.

A hipertensão arterial acontece quando a nossa pressão está acima do limite considerado normal, que, na média, oscila entre 120 e 80 milímetros de mercúrio, ou simplesmente 12 por 8. Valores inferiores a 14 por 9 podem ser considerados normais a critério médico. As pessoas com familiares hipertensos, que não têm hábitos alimentares saudáveis, ingerem muito sal, estão acima do peso, exageram no consumo de álcool ou são diabéticas, têm mais risco de desenvolver a hipertensão.

Por ser na maior parte do tempo assintomática, a HAS é conhecida como mal silencioso. Seu diagnóstico e tratamento é frequentemente negligenciado, somando-se a isso a baixa adesão, por parte do paciente, ao tratamento prescrito. Estes, são os principais fatores que determinam um baixo controle da HAS em todo o mundo, a despeito dos diversos protocolos e recomendações existentes e maior acesso a medicamentos.

Modificações de estilo de vida são de fundamental importância no processo terapêutico e na prevenção da hipertensão. Alimentação inadequada, sobretudo quanto ao consumo de sal, descontrole do peso, sedentarismo, tabagismo e uso excessivo de álcool são fatores de risco que devem ser adequadamente abordados e controlados. Mesmo tendo este cuidado, o uso de doses progressivas de medicamentos não resultará no alcance dos níveis recomendados de pressão arterial. “Apesar de ser uma doença crônica, sem cura, a hipertensão é controlável e, ao ser controlada, os riscos de infarto e, principalmente, AVC são reduzidos”, avalia o médico.

Evidências demonstram que estratégias que promovam modificações de estilo de vida são mais eficazes quando aplicadas a um número maior de pessoas geneticamente predispostas e a uma comunidade. A exposição coletiva ao risco e, como conseqüência da estratégia, a redução dessa exposição, tem um efeito multiplicador quando alcançada por medidas populacionais de maior amplitude.

Obviamente, estratégias de saúde pública são necessárias para a abordagem desses fatores relativos a hábitos e estilos de vida que reduzirão o risco de exposição, trazendo benefícios individuais e coletivos.

“A dica é sempre modificar os fatores relacionados às condições de vida, ou seja, manter uma alimentação equilibrada, com redução de sal e gorduras saturadas, controlar o peso, praticar atividades físicas, evitar o fumo e as bebidas alcoólicas”, afirma o Dr. Rodrigues. É recomendável ainda ter um especialista acompanhando a situação para receitar os medicamentos específicos, quando necessários, e investigar precocemente as possíveis complicações.

Nunca se esqueça: a hipertensão é uma doença multifatorial, depende de idade, sexo, genética, peso, alimentação, hábitos de vida e estresse. Alguns destes fatores serão controlados com medicação, outros não podem ser modificados e outros dependem de um comprometimento do paciente. O mais importante é que médico e paciente tenham um esforço conjunto para combater esse mal.

Lembre-se dos 10 mandamentos para prevenção e controle da pressão alta:

  1. Meça a pressão pelo menos uma vez por ano.
  2. Pratique atividades físicas todos os dias.
  3. Mantenha o peso ideal, evite a obesidade.
  4. Adote alimentação saudável: pouco sal, sem frituras e mais frutas, verduras e legumes.
  5. Reduza o consumo de álcool. Se possível, não beba.
  6. Abandone o cigarro.
  7. Nunca pare o tratamento, é para a vida toda
  8. Siga as orientações do seu médico ou profissional da saúde.
  9. Evite o estresse. Tenha tempo para a família, os amigos e o lazer.
  10. Ame e seja amado.
Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
janeiro de 2016

Doctor giving man checkup in exam roomNo Brasil, a maioria da população do sexo masculino tem preconceito e não visita o médico regularmente. As consultas periódicas ao urologista são fundamentais para prevenção de uma série de doenças nos homens, além de favorecer o diagnóstico precoce do câncer de próstata. Com o objetivo de conscientizar a população, o Hospital Sepaco apoia a causa e alerta sobre riscos.

Um levantamento realizado pelo Centro de Referência em Saúde do Homem (CRSH), vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, aponta que mais da metade dos pacientes masculinos vão ao médico já com doenças em estágio avançado, o que muitas vezes pode comprometer a cura da doença em questão.

Outros estudos realizados mostram que o tempo de vida dos homens é 7,6 anos menor que o das mulheres. Além disso, para cada três mortes de pessoas adultas jovens, duas são do sexo masculino. Entre as principais causas da fatalidade estão o infarto, o diabetes e o acidente vascular cerebral (AVC).

Isso acontece, porque os homens são mais vulneráveis, visto que não costumam passar por consultas médicas para realizar exames preventivos e só procuram orientação especializada quando o estado de saúde já está crítico. Ainda de acordo com o levantamento da CRSH, a falta de tempo, o preconceito e a sensação de invulnerabilidade às doenças estão entre os principais motivos relatados pelos pacientes.

A prevenção é a melhor medida em todas as idades, pois o homem tende a sofrer doenças específicas a cada faixa etária. Mas, segundo dr. Eduardo Muracca Yoshinaga, urologista do Hospital Sepaco, na maioria das vezes os homens são preconceituosos, descuidados com a saúde e precisam de um apoio feminino.

“É comum a consulta urológica ser marcada pela mãe, esposa ou filha do paciente. E muitas vezes elas vêm à consulta como acompanhante”, ressalta o profissional. Outro dado importante do levantamento do CRSH mostra que 70% dos homens vão ao médico acompanhados de suas mulheres ou dos filhos.

O especialista explica ainda que os problemas mais comuns que afetam o homem variam com a idade, sendo os mais frequentes: hidronefrose antenatal (dilatação dos rins), fimose, varicocele, orquiepididimite, DSTs, cálculos renais (pedras), impotência sexual, andropausa, hiperplasia prostática benigna, câncer de próstata, rins e bexiga. “A consulta com urologista, permite o diagnóstico precoce destas doenças, evitando complicações e aumenta as chances de cura do paciente”, avalia.

“Para maior qualidade de vida, o homem deve praticar esportes, ter uma boa alimentação, evitar o uso de drogas, como álcool e o fumo, sempre se prevenir nas relações sexuais e fazer check-ups periódicos”, conclui o dr. Eduardo Muracca Yoshinaga.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
julho de 2014

feliz_baixaMas, afinal, o que vem a ser a tal felicidade que todos buscam e, muitas vezes, parece difícil ser alcançada? A psicóloga da Medicina Preventiva do Sepaco Autogestão, Isabel Fialho, explica um pouco mais sobre o seu conceito e seus benefícios à saúde.

Segundo Fialho, a felicidade trata-se de um estado de espírito, que depende das escolhas que fazemos diante da vida e o quanto estamos dispostos a nos permitir embarcar neste universo. Ao olhar de forma negativa para sua vida, não buscar novidades e promover mudanças nas situações mais tristes vivenciadas, você pode criar um bloqueio que o impeça de desfrutar de uma vida mais plena e alegre.

Como transformar este cenário? Esta é grande questão. Felicidade não é sinônimo de uma vida sem problemas e sem dificuldades, ela está relacionada em poder lidar de forma saudável e madura com os obstáculos que surgem, ou seja, ser resiliente. “Conquistar a felicidade depende da maneira de trabalhar com as circunstancias da vida, valorizar as coisas simples que ocorrem no dia a dia e que fazem toda a diferença. Um exemplo disso está em abraçar as pessoas amadas, brincar com um bichinho de estimação, corresponder ao sorriso de uma criança. Enfim, ser grato pela vida e pelas oportunidades”, avalia a psicóloga.

Além disso, já existem estudos que comprovam que a felicidade fortalece o sistema imunológico, previne o envelhecimento precoce, doenças emocionais – ansiedade, depressão, estresse -, doenças psicossomáticas como a gastrite nervosa, a síndrome do intestino irritável, além de melhorar as relações pessoais, profissionais e, consequentemente, a qualidade de vida.

“Isso ocorre porque quando estamos felizes, o corpo libera a endorfina e serotonina, hormônios do prazer que causam a sensação de bem estar”. A serotonina atua diretamente no sistema nervoso central, fazendo a regulação do sono, do apetite e da temperatura corporal. Já a endorfina trabalha como um analgésico corporal, reduzindo as chances de ser ter estresse e aliviando as tensões.

Para finalizar, Isabel deixa a dica: “não espere pelo amanhã para ser feliz. Dê essa oportunidade para você hoje”.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
julho de 2014

Para conseguir manter uma vida equilibrada e saudável, a recomendação dos nutricionistas é unânime: quanto mais colorido o prato, mais balanceado e nutritivo ele será. Isso porque cada alimento apresenta um tipo de componente que, quando aliado a outro, cria uma espécie de central energética, garantindo nutrientes para todo o corpo. Alguns alimentos, em específico, são campeões em substâncias capazes de prevenir desde gripes e resfriados a cânceres e problemas no coração, entre outros males que acometem a boa saúde. A esses os especialistas dão o nome de superalimentos, já que sua composição nutricional oferece mais benefícios ao corpo em comparação a outras iguarias. Pense Leve selecionou os sete super-heróis da alimentação. Confira!

Goji Berry
O consumo dessa fruta garante a ingestão de 15% de proteínas, sendo 19 aminoácidos, dos quais oito são essenciais, como a isoleucina e o triptofano — precursores da serotonina, hormônio responsável pelo bom humor. O alimento ainda conta com um esquadrão de vitaminas, minerais e antioxidantes. “Ele é abundante em vitamina C, B1, B2, B6 e E”, completa Luciana. Destaque para o betacaroteno. Segundo Eliane, “existe mais dessa substância no goji que na própria cenoura”. Sem contar o betasitosterol, que equilibra os níveis de colesterol; o cyperone, responsável por equilibrar a pressão sanguínea e proteger o coração; o physalin, usado nos transtornos da hepatite B e a betaína, que auxilia na redução dos níveis de homocisteína — um fator de risco para as pessoas com problemas cardíacos. “A melhor opção para o consumo é a fruta desidratada ou fresca. Mas, cuidado com o excesso: duas colheres (sopa) contêm 100 kcal.

Yacón
Diferente da batata convencional e de outros tubérculos — como a mandioca e o inhame — a yacón não armazena carboidratos na forma de amido, mas, sim, como frutanos, a exemplo da inulina, e os frutooligossacarídeos (FOS). “Eles atuam como prebióticos em função das fibras solúveis, que estimulam o crescimento das bactérias intestinais benéficas, melhorando a função intestinal e o metabolismo”, comenta Luciana. A inulina é um tipo de açúcar de baixa caloria, que não promove picos de glicemia, por isso é indicada para diabéticos. “O alimento ainda traz doses de potássio, um mineral que auxilia no controle da pressão arterial”, esclarece Eliane. Também é um bom aliado para quem quer perder peso: 100 g de yacón equivalem a 79 kcal.

Maca peruana
No Brasil, a maca peruana é consumida como farinha, geralmente em suplementos alimentares. Uma colher (sopa) por dia, adicionada a sucos, vitaminas, água, leite ou polvilhada nas refeições garante boas porcentagens de proteínas, fibras e cálcio. “O alimento, também conhecido como viagra dos incas, é um tubérculo parecido com o rabanete e sua composição é rica em fitoquímicos e antioxidantes, colocando-o na lista dos superalimentos”, informa Luciana. Seus benefícios são extensos: aumenta o rendimento físico e mental, proporciona mais energia e disposição, revitaliza as células cerebrais, favorecendo a concentração e a memória, fortalece o sistema endócrino e estimula, de modo natural, a produção de hormônios sexuais femininos e masculinos. De acordo com estudo da Universidad Peruana Cayetano Heredia, no Peru, a planta aumenta a libido e a quantidade de sêmen em homens de 24 a 44 anos.

Chia
Quer enxugar alguns quilos de forma saudável? Aposte na semente de chia. Por ser rica em fibras, ela promove saciedade, além de melhorar o funcionamento intestinal e contribuir para o controle do diabetes. A presença de ômega 3 combate a inflamação do organismo, melhorando a memória e reduzindo a ansiedade e a depressão. “A chia possui compostos bioativos com forte ação antioxidante, combatendo a ação dos radicais livres, que levam ao envelhecimento precoce e resultam no desenvolvimento de doenças”, explica Eliane. Enriqueça as receitas de sopas, saladas, iogurtes e outros pratos, ou apenas adicione as sementes em sucos e frutas. “Há também a opção do óleo, rico em ômega 3 e 6, uma alternativa para temperar saladas”, acrescenta. Também é possível encontrar o alimento em forma de farinha, recomendada para o preparo de tortas e bolos. “A semente contém proteína, cálcio e ferro. Para os lacto-vegetarianos, ela pode substituir o ovo no preparo das refeições”, sugere Luciana. Vale o alerta: o excesso pode causar efeito contrário e engordar. Isso porque 100 g do alimento equivalem a 526 kcal.

Açaí
Queridinho dos brasileiros no verão, o alimento é considerado funcional graças à antocianina, um poderoso antioxidante que previne o envelhecimento das células e dos órgãos, diminui o risco de doenças cardiovasculares, de câncer e melhora o perfil imunológico. “Ele possui 33 vezes mais antocianinas do que a uva”, informa Eliane de Andrade Dias, nutricionista da Medicina Preventiva do Sepaco Autogestão, de São Paulo (SP). A fruta ainda apresenta quantidades abundantes de fibras, manganês, magnésio, ferro e proteínas. Está disponível para ser consumida em sucos, vitaminas e polpa. “Prefira a polpa congelada sem o xarope de guaraná e sem glicose e tenha cautela na hora de escolher os complementos”, alerta. Uma porção de 100 gramas tem em média 58 calorias. “Apesar de conter gordura e ser calórico, o açaí atua na modulação da inflamação, sendo fundamental para quem precisa emagrecer”, diz Luciana Harfenist, nutricionista funcional, do Rio de Janeiro (RJ). A ingestão é restrita apenas para diabéticos e obesos.

Quinua
Seus benefícios vieram à tona nos anos 1990, mas a quinua é consumida muito antes, na região dos Andes. Não para menos. Suas vantagens podem blindar o corpo de muitos males. “O alimento é extremamente nutritivo, pois sua composição é superior a de outros cereais. Apresenta aminoácidos essenciais, amido, fibras, ferro, magnésio, zinco, potássio, vitaminas D, E e do complexo B”, afirma Luciana Harfenist. Atua na prevenção das infecções de repetição por baixa imunidade e desnutrição crônica, além de prevenir a osteoporose e regular o intestino. Outra boa notícia é que o alimento apresenta grandes quantidades de ácidos graxos, superando todos os outros cereais. “Há aproximadamente 60% de ômega 6 e ômega 3, gorduras essenciais para um metabolismo perfeito e para o equilíbrio do mau colesterol (LDL) e do bom colesterol (HDL)”, assegura. Atenção ao preparo: “Os grãos devem ser lavados antes de serem consumidos para a retirada das saponinas, que ficam na camada externa da semente. Elas dão o sabor amargo aos grãos e têm efeitos antinutricionais, reduzindo os benefícios do alimento”, alerta Eliane Dias.

Romã
As simpatias de fim de ano trazem as sementes de romã como um talismã para ganhar dinheiro. A boa nova é que a fruta inteira pode proporcionar muito mais do que o dinheiro pode comprar. Ela lhe trará saúde. “Tanto a polpa quanto a semente são ricas em antioxidantes. Mas a casca é a parte que apresenta maiores quantidades dessas substâncias”, conta Eliane. Elas atuam no combate aos radicais livres, previnem o envelhecimento precoce, potencializam os processos anti-inflamatórios e antimicrobianos do organismo, reduzem o risco de doenças cardíacas e atuam na prevenção do câncer, principalmente o de próstata. E as mulheres já podem comemorar: a ação anti-inflamatória da romã ajuda também no combate à celulite, agindo na inflamação das células e, assim, melhorando a circulação na região. E não para por aí. Recentemente, a Queen Margaret University, na Escócia, divulgou estudo sobre a aplicação da fruta na redistribuição da gordura corporal e na redução da circunferência da cintura. “Entre os flavonoides, o que mais se destaca é o punicalagina, responsável pelas propriedades antioxidantes do suco de romã e pela redução de processos inflamatórios presentes na obesidade”, garante Luciana.

Permitido para vegetarianos
A restrição de carne e derivados de origem animal na alimentação dos vegetarianos não é mais um tabu entre os nutricionistas. Isso porque muitos alimentos suprem as necessidades de ingestão de vitaminas e minerais essenciais e substituem os ingredientes tradicionais em diversas receitas. Dentre os superalimentos, as sementes de chia, por exemplo, contêm proteína, cálcio e ferro e, por isso, podem suprir com eficácia o uso de ovos no preparo de bolos, tortas, entre outros. “A quinua é outro alimento importante na dieta dos vegetarianos, pois está repleta de aminoácidos, amido, fibras, ferro, e vitaminas do complexo B”, indica a nutricionista Luciana Harfenist.

Vilões da saúde
Fuja deles! A Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, aponta os piores alimentos e hábitos que causam o aumento de peso, além de prejudicar o bom funcionamento do organismo. Confira!

Álcool: as pessoas que querem emagrecer devem ficar longe da cervejinha de domingo. Uma latinha tem 150 calorias.
Batata chips: o sal e a gordura saturada somam quase 200 kcal em uma porção de 25 g.
Bebidas adoçadas: opte pelas naturais, pois o açúcar acumulado no sangue promove o ganho de peso.
Carne vermelha: contribui para o aumento de peso e retenção de líquidos. As processadas contêm gordura e toxinas em excesso.
Doces e sobremesas: devem ser consumidos com moderação devido ao alto teor de açúcar.
Refrigerante: o corante e as calorias são inimigos de quem quer emagrecer.
Sal em excesso: retém líquido, principalmente em mulheres no período menstrual.
Sono: uma noite mal dormida pode desregular o cortisol, hormônio que pode causar aumento de peso.

 

Publicado originalmente na edição 261 de Abril/2014 da revista Pense Leve.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
maio de 2014

A dengue é uma doença infecciosa viral, transmitida pela picada do mosquito fêmea Aedes Aegypti e está presente em mais de 125 países, superando a malária, de acordo com a dra. Fátima Porfírio, infectologista do Hospital Sepaco. Além disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou-a como a enfermidade que possui propagação mais rápida do que as demais doenças.

A médica conta que o maior perigo dela é a água parada. Isto se deve ao fato da reprodução do mosquito, que deposita seus ovos no líquido, dando vida a novos transmissores. Sendo assim, é preciso ficar sempre atento aos principais acumuladores de água: pneus velhos, pratos de plantas, caixas d’água mal tampadas, calhas entupidas, entre outros locais.

O período de incubação é de 5 a 6 dias, intervalo entre a picada e o aparecimento da doença. Normalmente, a partir do 3º dia é que os sintomas começam a aparecer e podem variar de simples, como resfriados, a médios, ocasionando dores musculares, nos ossos e articulações, atrás dos olhos, de cabeça, vermelhidão no corpo, vômitos, tonturas e perda do apetite.

No quadro mais avançado pode ocorrer febre alta repentinamente, geralmente entre 39º e 40º, dores abdominais fortes e contínuas, vômitos persistentes, sangramento pelo nariz, boca e gengivas, sonolência, agitação, confusão mental, insuficiência respiratória e choque. “Nestes casos, é necessário buscar imediatamente ajuda médica, pois pode levar a pessoa à morte em até 24 horas”, explica a infectologista.

Em crianças, a febre pode vir acompanhada de apatia e recusa na hora de comer, além de diarreia. Segundo a especialista, o diagnóstico é feito por meio de exame laboratorial, porém, não existe tratamento específico, apenas algumas formas que aliviam os sintomas.

“É preciso ingerir muito líquido e repousar, além de utilizar apenas os medicamentos indicados pelo médico”, explica.

“É preciso enfatizar que o paciente não deve optar pela automedicação em casos de suspeita de dengue, pois há medicamentos, como ácido acetilsalicílico, que provocam complicações no quadro”, comenta a infectologista, que destaca a prevenção como a melhor forma de tratamento. “Fique sempre atento, pois o foco da dengue pode estar dentro da sua casa”, conclui.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
março de 2014

Comer sem dúvida é um dos maiores prazeres do ser humano, além de ser uma necessidade do nosso corpo. A alimentação deve ser balanceada e com nutrientes necessários para suprir as necessidades do organismo. Para ajudar a manter a saúde em dia, a nutricionista da Medicina Preventiva do Sepaco Autogestão, Eliane de Andrade Dias, dá algumas dicas para manter o equilíbrio alimentar.

Segundo ela, a correria do dia a dia faz com que as pessoas acabem optando por alimentos prontos, mais calóricos ou lanches rápidos, os famosos fast-foods, deixando de lado o cuidado com a saúde. “É importante prestar muita atenção e ficar alerta com o que é ingerido. Uma alimentação saudável e balanceada é fundamental para a prevenção de doenças, qualidade de vida e manutenção da saúde e bem estar”, destaca.

Eliane afirma que se alimentar bem não é sinônimo de comer em grandes quantidades, pelo contrário, o ideal é comer pouca quantidade, porém de 3 em 3 horas. “A consciência sobre o que é moderado pode ser um forte aliado. Não é necessário fazer dietas mirabolantes e restritivas, mas sim variar os alimentos e montar um prato bem colorido para garantir mais nutrientes”.

A nutricionista aponta 10 bons motivos para manter uma alimentação saudável e deixar de lado os alimentos gordurosos e com muito açúcar:

1. Previne o surgimento de doenças e reforça o sistema imunológico;

2. Ajuda a perder peso e a mantê-lo;

3. Melhora o sistema digestivo, permitindo o bom funcionamento do organismo;

4. Aumenta a qualidade do sono;

5. Fornece mais disposição e energia para as atividades diárias;

6. Garante o bom humor;

7. Repõe os nutrientes que o corpo gasta diariamente;

8. Permite manter uma aparência saudável;

9. Acrescenta mais qualidade de vida;

10. Possibilita uma vida mais longa com saúde, evitando o envelhecimento precoce.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
março de 2014

No Dia Mundial de Incontinência Urinária, 14 de março, o Hospital Sepaco faz um alerta sobre a importância de procurar ajuda médica aos primeiros sintomas da perda do controle da bexiga, pois é um problema que atinge aproximadamente 50 milhões de pessoas no mundo, causando incômodo, contrangimento e até afastamento do convívio social.

Segundo o dr. Carlos Del Roy, coordenador da área de ginecologia do Hospital Sepaco, no Brasil, cerca de 10 milhões sofrem com o problema. Ele explica que todas as pessoas, desde bebê, aprendem a segurar a micção, tornando o processo automático, mas a perda desse controle pode acarretar no problema de incontinência urinária.

A disfunção é caracterizada pela perda involuntária de urina, aliada a incapacidade de controlar o momento e o local de esvaziar a bexiga. Normalmente, há uma maior incidência em mulheres na faixa dos 50 anos (12%) e na faixa dos 80 anos (25%), porém, o público masculino também sofre com o problema, que pode ter uma relação mais direta à idade ou cirurgias da próstata.

O médico ressalta que, em bebês e crianças até os 6 anos, essa incontinência é comum, pois como ainda não aprenderam a controlar a necessidade de ir ao banheiro, acidentes ocasionais podem ocorrer com certa frequência. “Os pais precisam estar alerta e acompanhar seus filhos para que não se torne um problema crônico ou algo mais sério”, comenta o dr. Del Roy.

As causas são diversas. Podem estar relacionadas à gravidez, parto, tumores, doenças que comprimem a bexiga ou pulmonares que geram pressão abdominal, obesidade, tosse crônica no caso de fumantes, obstrução do canal da uretra, genética, entre outras.

O importante é estar sempre alerta e procurar auxílio médico quando algum sintoma surgir, pois apenas o profissional qualificado poderá identificar a causa e o tipo de perda urinária para tratála com eficácia. “A boa notícia é que na maioria das vezes, o problema pode ser solucionado por meio de diferentes tratamentos que vão desde exercícios para fortalecer a musculatura do assoalho pélvico, medicamentos até cirurgia”, reforça o dr. Del Roy.

Saiba mais sobre os três tipos distintos de incontinência urinária:

Incontinência de urgência

É caracterizada por um desejo incontrolável de urinar, acarretando a perda da urina antes da chegada ao banheiro. “Embora, em algumas mulheres, esteja relacionada a uma infecção urinária, na maioria dos casos, não é possível definir uma causa específica”, explica o doutor.

Fístulas

A perda de pequena quantidade de urina quando a bexiga está cheia representa as fístulas e, normalmente, é resultado da incapacidade de esvaziar completamente a bexiga. Desta maneira, a urina continua acumulando até que ocorre um transbordamento.

Incontinência de esforço

Ocorre quando um esforço – tosse, espirro, segurar muito peso, dar risada – provoca o aumento da pressão no interior do abdômen sobre a bexiga. “Se os músculos e ligamentos que dão suporte para a uretra estiverem enfraquecidos, ela se abrirá e haverá perda de urina”, destaca o doutor.

Postado em Notícias, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,