Pesquisar no site
fevereiro de 2017

Quem disse que uma grávida deve comer por dois está equivocado! Na realidade isso é uma desculpa para as mamães exagerarem sem ter peso na consciência. O ganho de peso gestacional recomendado está vinculado ao estado nutricional da mãe antes da gestação, ou seja, se a futura mamãe estava dentro do peso adequado, poderá ganhar até 12 kg, entretanto, se ao engravidar estava acima do peso, deve se limitar a um ganho de 7 a 9 kg. O ideal é que o médico obstetra ou a nutricionista definam o ganho de peso adequado para você.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

O excesso de peso na gestação pode prejudicar a saúde da futura mamãe e deixar o bebê predisposto a desenvolver obesidade e suas complicações. Em compensação, o baixo peso pode influenciar negativamente no desenvolvimento do bebê, por isso, uma alimentação equilibrada é o melhor investimento que a futura mamãe pode fazer, pois os nutrientes absorvidos durante a gestação vão garantir ao recém-nascido um desenvolvimento saudável!

A alimentação deve ser fracionada (a cada 3 horas), evite ficar longos períodos sem se alimentar. Faça seis refeições de pequenos volumes, irá auxiliar no controle do ganho de peso e diminuir o apetite. Consuma diariamente frutas, verduras e legumes, variando as cores para não faltarem vitaminas e minerais. Evite alimentos que agregam muitas calorias e poucos nutrientes, como: frituras, enlatados, embutidos (linguiça, salsicha, frios, etc), massas, condimentos, café, pimenta, doces e refrigerantes.

Mesmo mantendo uma alimentação balanceada, a futura mamãe deve lembrar que está cuidando de duas pessoas ao mesmo tempo, dessa forma, a necessidade de vitaminas e minerais são maiores. A suplementação na gestação é necessária, mas deve ser indicada por um profissional (nutricionista ou médico).

Após o nascimento do bebê, as mães se perguntam quando voltarão ao seu corpo habitual novamente, mas o primeiro passo é controlar a ansiedade, não ter pressa e amamentar. A amamentação promove um gasto calórico elevado, facilitando o retorno ao peso ideal. Ela também libera ocitocina, hormônio que, entre outras importantes tarefas, ajuda o útero a voltar ao tamanho normal, fazendo com que a barriga perca aquele aspecto de gravidez, que permanece mesmo após o parto.

Postado em Espaço da Gestante por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
fevereiro de 2017

Por ter um metabolismo mais acelerado durante a gravidez, a gestante já tende a sentir mais calor, e para quem vive em um país tropical, onde as temperaturas nesta época costumam beirar os 40°C, pode ser algo mais desconfortável que o comum. Mas tenha calma! Mesmo com tantos pontos negativos é possível suportar o clima quente desta estação de forma tranquila e refrescante.

– Participe da visita assistida à maternidade

– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Um cuidado que se deve ter redobrado durante o verão é a hidratação do corpo e pele, pois a falta dela pode ocasionar diversos problemas para a mamãe e o bebê. Consumir bastante água, sucos produzidos a base de água filtrada ou mineral, se banhar com hidratante corporal contribui para se ter uma boa hidratação.

Outro cuidado que as mamães vaidosas devem estar atentas, é a prática de esfoliação de pele, pois remover as células mortas da pele pode prejudicar uma proteção extra contra os raios solares. Sem contar que com todas as mudanças hormonais alguns produtos podem ter reação alérgica.

Uma dica para evitar as varizes é tomar banhos frios, pois o banho quente ajuda a dilatar ainda mais os vasos sanguíneos, que com a pressão arterial baixa, favorece a estagnação do sangue para os membros inferiores.

Tonturas e desmaios costumam ser frequentes para algumas gestantes no verão, o melhor a fazer é fugir de ambientes que tenham multidões, se alimentar a cada três horas e não esquecer de ingerir bastante água.

O consumo de água em abundância não é só “papo” de médico. A água, além de auxiliar na hidratação, ainda ajuda a combater as dores de cabeça, a queda de pressão e a evitar estrias e celulites que são um pesadelo para as mamães.

É necessário estar atenta pois durante a gestação se faz necessário ingerir cerca de 2 litros de água diariamente. Cuidar da alimentação é importante para todos e isso é um fato, mas deve-se ter a atenção redobrada neste momento de gestação, no verão principalmente, pois é uma estação onde as viroses costumam ser constantes e transmitidas por alimentos.

Portanto é bom estar alerta ao que se come e se compra na rua. Procure lavar bem os alimentos antes de ingerí-los e evitar petiscos de ambulantes, afinal nunca se sabe como eles realmente foram preparados.

Postado em Espaço da Gestante por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
janeiro de 2017

Durante a gestação, é comum se deparar com inúmeros palpites sobre a alimentação da futura mamãe. Parceiro, amigos e familiares estão sempre cheios de sugestões, mas nem sempre sabemos o que realmente é verdade e o que é permitido ou não comer ao longo dos nove meses.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Aquela velha história de que grávida não deve se preocupar com a balança, por exemplo, é o primeiro item na lista dos mitos. O ganho de peso gestacional recomendado está vinculado ao estado nutricional da mãe antes da gestação.

Entre tantos conselhos, fica difícil designar o melhor para mãe. Por esse motivo, O Espaço da Gestante relacionou as principais dúvidas sobre a alimentação nessa etapa tão importante da vida. Confira:

  1. Quanto maior o peso da mãe, maior será o bebê?

Mito. Um aumento excessivo de peso da mãe, não significa que o bebê nascerá maior, e sim que há probabilidade da mãe e do bebê desenvolverem algumas doenças como: diabetes, hipertensão e obesidade.

  1. A gravidez pode aumentar as chances de que a mãe fique resfriada?

Verdade. O sistema imunológico da gestante trabalha de forma menos agressiva na gestação para não rejeitar o bebê, consequentemente algumas mães podem ficar mais resfriadas, por isso é importante manter uma alimentação equilibrada e variada, que deve incluir diariamente cereais integrais, frutas e verduras, além de no mínimo oito copos água ao dia.

  1. Existem alimentos que não podem ser ingeridos durante a gravidez?

Verdade. Existem alimentos que não são recomendados nessa etapa, entre eles, cafeína, carnes, peixes e ovos crus ou mal cozidos, além de leite ou derivados não pasteurizados (processo que destrói germes e bactérias).

  1. Gestantes não podem tomar vinho?

Verdade. O consumo de bebidas alcoólicas na gestação pode provocar atraso mental, hiperatividade, dificuldade de aprendizagem, entre outros problemas no futuro do bebê. Os benefícios do vinho tais como, evitar o envelhecimento precoce, prevenir doenças cardiovasculares e reduzir o risco de câncer, podem ser encontrados também no suco de uva.

  1. A mãe deve consumir vitaminas extras durante a gravidez?

Verdade. A mamãe deve lembrar que está cuidando de duas pessoas ao mesmo tempo. Desta forma, a exigência de vitaminas e minerais são maiores. A suplementação na gestação é necessária, mas deve ser indicada por um nutricionista ou médico.

Fique atenta a essas dicas para que a gravidez flua mais tranquilamente, garantindo a saúde da mamãe e do bebê.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Sepaco | Tags: ,
janeiro de 2017

Nem tudo pode ser previsto durante a gravidez, principalmente, como será a evolução na hora de dar a luz. Por esse motivo, é necessário que o corpo esteja com a flexibilidade e força física adequada, para facilitar ao máximo a vinda do bebê ao mundo.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

A preparação do corpo pode ser feita com a prática de exercícios bem simples, que trazem grandes benefícios com pouco esforço. Veja algumas dicas:

Exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel são pequenas contrações internas dos músculos que compõe o assoalho pélvico, ajudando a suportar o útero, a bexiga e os intestinos. Desta forma, é possível prevenir as hemorroidas, além de facilitar a cicatrização, caso a mamãe leve pontos no períneo durante o parto.

Como fazer?

Contraia os músculos em volta da vagina, como se estivesse interrompendo o fluxo da urina, sem contrair o abdômen, os glúteos e os músculos das coxas. Segure durante cinco segundos e depois, solte. Repita esse procedimento 10 vezes. Com isso, muitos desconfortos que costumam aparecer ao final da gravidez serão aliviados como, por exemplo, o vazamento de urina.

Movimento Pélvico ou “Postura de Gato”

Feita na posição de “mesa”, esse exercício fortalece os músculos abdominais e alivia a dor durante o parto.

Como fazer?

Apoie os joelhos no chão, diretamente sob os quadris e as mãos na mesma distancia dos ombros, mantendo os braços esticados. Inspire e contraia o abdômen e glúteos, elevando as costas em forma de arco e solte o ar devagar, até voltar à posição neutra.

Agachamento

A fim de facilitar a saída do bebê, um dos exercícios mais simples e recomendados durante toda a gravidez é o agachamento, que pode abrir a saída da pélvis entre 0,5 cm e 1 cm. Essa prática ajuda a fortalecer os músculos que serão trabalhos na hora do parto.

Como fazer?

Encoste as costas em uma parede, com a coluna ereta, braços relaxados, pés deparados e alinhados com os ombros. O próximo passo é deslizar pela parede para baixo, mantendo a posição por cerca de 10 segundos e voltar para a posição inicial.

Além dos exercícios propostos, a grávida deve estar em um ambiente calmo, com pouca luminosidade e pensar positivamente, acreditando nos resultados positivos que terá com esse método. Tudo para receber da melhor maneira, o filho que está por vir.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Sepaco | Tags: ,
novembro de 2016

doctor consulting patients on partner childbirth

O parto nunca foi um momento fácil na vida das mulheres. Surgem diversos desconfortos, inclusive nas últimas semanas de gestação, misturado com a ansiedade de ver pela primeira vez o rostinho do bebê e o medo das dores na hora de dar à luz. Sendo assim, as grávidas sempre tiveram o apoio de familiares e amigos durante a gravidez. O que nem sempre tiveram, é o acompanhante na sala na hora do parto, dando força para um dos momentos mais especiais de suas vidas.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Por isso, em abril de 2005, foi aprovada a Lei Federal n°11.108 que concede a gestante a participação de pessoas de confiança na hora do nascimento do neném, tanto em sistemas públicos, quanto no privado. Essa presença acalma a futura mamãe, reduz o tempo de duração do parto e evita o uso de medicamentos.

Uma pessoa de confiança trará muito mais tranquilidade e força durante todos os momentos. Há casos em que mulheres contratam profissionais especialistas em acompanhamento do parto, as chamadas “doulas”, mas a companhia pode ser marido, mãe, irmã, ou amigo próximo.

A equipe de enfermagem deverá instruir o acompanhante, passando algumas observações, tirando dúvidas e transmitindo confiança. Todo cuidado é necessário para tudo sair da melhor forma possível. Afinal, não é todo dia que se pode presenciar momentos como esse.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
outubro de 2016

Woman with distressed expression holding a babyApós nove meses de espera, um dos momentos mais felizes é a chegada do tão esperado bebê ao mundo.  Mas não é assim para todas as gestantes. Cerca de 10% e 15% das futuras mamães vivenciam momentos de profunda tristeza, sofrendo com a depressão pós-parto.

Diferentemente do chamado “baby blues”, uma alteração hormonal brusca, porém passageira, a depressão tem antecedentes já que não é ocasionada pela gravidez ou pelo nascimento da criança. É algo mais sério e precisa de acompanhamento médico para avaliação do caso e, quando necessário, um tratamento mais específico.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Um fator que complica ainda mais o estado emocional da mulher é perceber que tanto o parceiro quanto seus familiares não sabem como agir em frente essa situação. Isso ocorre porque a mãe, não consegue enxergar que está tudo ocorrendo perfeitamente e que ela pode ficar tranquila. Ao contrário, começa a imaginar coisas, perde a vontade de viver, fala ou pensa em agredir a criança ou até a si mesma.

Alguns sintomas característicos dessa depressão pós-parto, tais como crises de choro, fadiga, humor deprimido, irritabilidade, ansiedade, confusão e lapsos de memória, ajudam o médico diagnosticar o nível depressivo da paciente. É importante que as pessoas mais próximas da mamãe entendam que essas reações são um comportamento involuntário e que ela precisa de ajuda especializada.

Essa doença pode e deve ser evitada. Se a mãe já sofreu de casos traumáticos ao percorrer da vida ou está passando por uma situação estressante, que possa desencadear o problema, ainda durante a gravidez, ela, o médico obstetra, o marido e a família devem ter cuidado redobrado, acompanhar possíveis alterações comportamentais de perto e, acima de tudo, ter muita paciência e dar muito amor.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
outubro de 2016

Small baby bathing in a shallow tubSão muitas as perguntas que papais e mamães se fazem quando vão dar banho no seu bebê, até mesmo para os que já têm experiências com crianças pequenas. É muito comum que os sentimentos de ansiedade e insegurança surjam, mas o que fazer e como?

Para os recém-nascidos, durante as duas primeiras semanas de vida e até a primeira ida ao pediatra, a indicação de banho em dias intercalados já é suficiente, principalmente durante o inverno por causa das baixas temperaturas registradas. Mas, esta condição só é válida se for feita uma boa higiene das mãos e do rostinho várias vezes ao dia e, principalmente, que a área da fralda esteja sempre bem limpa para não haver contaminação por bactérias. Outra medida importante é realizar a limpeza do coto umbilical todos os dias.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Já os mais velhos podem ter o banho como parte da rotina diária.  Esse processo deve ser feito somente com água morna em quantidade suficiente para cobrir os bebês menores até os ombros e, para aqueles que já sentam, a água não pode passar a linha da cintura. Antes de colocar a criança na água, é preciso verificar a temperatura, que precisa estar em média entre 37º e 38ºC. Existem termômetros próprios para isso, mas a dica é colocar a parte inferior do antebraço e verificar se a temperatura está morna.

Os primeiros banhos não precisam ser longos e podem ser realizados antes de dormir, assim a criança relaxa e descansa melhor. O processo é simples: segure a cabeça e as costas do bebê com firmeza ao lavá-lo e remova delicadamente qualquer sujeira ou pele solta que possa estar acumulada. Caso queira usar sabonete e shampoo, não se esqueça de dar preferência aos produtos neutros e enxágue bem para que não apareçam alergias.

Não se surpreenda se seu bebê chorar nos seus primeiros banhos, afinal ele apenas estará reagindo a uma sensação inteiramente nova e aprendendo a se adaptar a temperaturas diferentes. Mas atenção, mamãe e papai: apesar de todos esses cuidados, ainda é preciso lidar com a criança que fica escorregadia, se contorcendo e, às vezes, gritando. Nada melhor que a prática diária e, em breve, o banho será um momento de descontração e muitas brincadeiras.

Outro alerta importante é nunca deixar o bebê sozinho durante o banho para evitar afogamentos.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , , ,
agosto de 2016

GestanteEm 15 de agosto, é comemorado o Dia Nacional da Gestante e o Hospital Sepaco aproveita esta data para lembrar a todas as mamães como esse momento é único na vida de cada mulher, tanto para as mamães de primeira viagem, quanto para as que já viveram essa experiência.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Na maioria das vezes, a gravidez é descoberta por meio de um simples teste de farmácia e na sequencia uma explosão de sentimentos já inunda o coração da futura mamãe. Tudo começa se transformar, o rostinho do bebê começa a habitar os sonhos, o corpo demonstra alterações visíveis, hormônios em plena ebulição, as dúvidas começam a surgir e as incertezas e medos começam a aparecer.

No entanto, para Roseli Oliveira, enfermeira obstetra do Sepaco Autogestão, o ideal nesse momento é manter a calma e procurar profissionais que acolham e orientem, além de se concentrar no que será preciso fazer. “Antes ou após anunciar a chegada do bebê, é indispensável a visita ao médico. É preciso acompanhar a gravidez de perto desde o início pois, quando temos a presença de profissionais que acolham de forma integral, o caminho até o nascimento se torna mais prazeroso”.

É nessa fase que a gestante compreende a importância e a responsabilidade que está chegando, junto com a nova vida que está dentro de si e totalmente dependente de seus cuidados. Agora, dois corações batem juntos ligando duas vidas que, por um tempo, serão apenas uma, conectadas pelo cordão umbilical. “A gestação dura, em média, entre 39 e 42 semanas justamente para a mulher se preparar para tudo que está por vir: o cuidado com as mamas, alimentação saudável, preparo para o parto e exercícios próprios para cada fase gestacional. Nesse período, é comum buscar ajuda de obstetras, psicólogos e nutricionistas”, explica Roseli.

O Hospital Sepaco, membro do Projeto Parto Adequado, pensando nessas mamães, criou o Sou Gestante, um site que trabalha temas ligados a este momento único e marcante na vida da mulher, com dicas do que é ou não recomendado neste período, como saber lidar com os bebês nas primeiras semanas, além de informações sobre o Curso de Orientação à Gestante e a Visita Assistida à Maternidade.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,
agosto de 2016

Pregnant woman holding ultrasound imagePais e mães sempre ficam ansiosos pelo exame que possa mostrar pela primeira vez o rosto do seu filho e descobrir se terão um menino ou uma menina. Fazer o ultrassom é um dos exames mais recomendados para as gestantes, pois não é invasivo e usa ondas de som para criar a imagem do bebê, da placenta, do útero e de outros órgãos. Com ele, é possível acompanhar o desenvolvimento do feto e saber se tudo está como deveria ser naquela idade gestacional.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

A ultrassonografia normalmente é aconselhada assim que a mulher descobre que está grávida por vários motivos, entre eles, saber de quanto tempo é a gestação, se não se trata uma gravidez ectópica, ou seja, que se desenvolve fora do útero, e também quantos nenéns irão nascer. Após o período inicial, é recomendada a realização do exame para acompanhar a saúde da placenta e descobrir se há alguma má formação no bebê.

O exame é feito de maneira simples e sem complicações. Primeiramente, o ultrassonografista passa um gel sobre a barriga da mamãe e, em seguida, usa um aparelho sobre ele. O computador traduz os sons de eco que são recebidos de volta em imagens de vídeo, que revelam o formato da criança, sua posição e seus movimentos.

Para quem está no comecinho da gravidez, existe também o ultrassom intravaginal, onde os obstetras usam um aparelho para ouvir os batimentos cardíacos do bebê. Outros exames que utilizam radiação tais como radiografias e tomografia computadorizada, devem ser evitados devido aos riscos que proporcionam. Por isso, o ultrassom é o mais indicado, por não oferecer riscos para o feto, não provocar efeitos colaterais e não ter contraindicações. Então, mamães, não deixem de fazer a ultrassonografia no mínimo quatro vezes durante a gestação, garantindo a saúde do seu filho.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: , ,
agosto de 2016

happy family. mother embracing her newborn baby

A amamentação é muito mais que simplesmente o ato de alimentar o bebê. Essa é uma das melhores formas de desenvolver o relacionamento entre mãe e filho, além de ser a melhor e mais completa dieta nos primeiros seis meses de vida. Após esse período, a mamãe pode complementar com outros alimentos.

Esse ato traz benefícios para a mamãe e para o bebê. Um bebê amamentado no peito pode evitar durante sua vida doenças como obesidade, diabetes, hipertensão e, além disso, devido à concentração do ferro no leite materno ser bem maior que em qualquer outro tipo de leite, as chances de adquirir anemia são menores, por não precisar desse complemento.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Quanto a mamãe, pesquisadores da Espanha descobriram que as mulheres que amamentam seus filhos por mais de seis meses são menos susceptíveis a desenvolver o câncer de mama. E para a alegria das futuras mamães, a amamentação dá a sensação de bem-estar, relaxamento e também ajuda a emagrecer, pois consome em média 900 calorias por dia.

Por fim, um dado importante: amamentar é grátis. Não é preciso gastar com fórmulas inovadoras ou marcas de leites caras. O que seu bebê precisa, está em você! Por isso, não fique preocupada se está amamentando em locais públicos ou se está alimentando da forma correta ou não. Pouco a pouco, é possível descobrir as maneiras de saciar o recém-nascido, tornando único cada momento.

Postado em Espaço da Gestante, Sem categoria por Comunicação Hospital Sepaco | Tags: ,