Pesquisar no site

Como tornar seguro o sono de seu bebê

Maio de 2018

Cerca de 15.000 crianças morrem anualmente no mundo enquanto dormem. Algumas dessas mortes resultam de estrangulamento ou sufocação acidental durante o sono, enquanto para outras não se encontra nenhuma causa bem definida. As mortes que ocorrem durante o sono em crianças com idade entre 7 dias e 1 ano são coletivamente conhecidas como Síndrome da Morte Súbita e inesperada do lactente (SMS).

Muitas dessas mortes podem ser evitadas por meio da adoção das medidas listadas abaixo. Apesar de simples, pesquisas realizadas em diversas partes do mundo comprovam que elas são efetivas.

As recomendações abaixo são aplicáveis a bebês saudáveis até 1 ano de idade. Bebês com alguma condição médica poderão necessitar de recomendações médicas específicas. Em caso de dúvidas, consulte o pediatra da criança.

Dicas para tornar o sono do bebê mais seguro

  1. Coloque o bebê para dormir sempre com as costas sobre o colchão, mesmo durante as sonecas ao longo do dia.

Nunca o coloque para dormir de bruços. Essa medida tem sido a principal responsável pela redução do número de mortes súbitas em lactentes no mundo.

Se o bebê já consegue rolar no berço e mudar a sua posição (de costas para de bruços e vice-versa), ele poderá ser deixado na posição que ele assumiu espontaneamente.

Quando ele estiver acordado e sob a supervisão de um adulto, permita que ele fique de bruços por algum tempo, pois isso ajudará a fortalecer a musculatura cervical. Caso o bebê adormeça, coloque-o na posição recomendada (com as costas sobre o colchão)

  1. Coloque o bebê para dormir sobre uma superfície firme.

O colchão do berço (portátil ou fixo) deverá sempre ser confortável e firme. Se o bebê dormir na cadeirinha do carro ou no carrinho de passeio, ele deverá ser transferido para o berço tão logo seja possível.

Use lençol com elástico para forrar o colchão e coloque o bebê para dormir diretamente sobre o tecido.

Não coloque cobertores, almofadas ou travesseiro entre o colchão e o seu bebê e nunca permita que ele durma sobre o sofá, almofadas, colchões de ar ou similares.

  1. Mantenha livre a superfície do berço.

Não coloque brinquedos, bichos de pelúcia, travesseiros, cobertores ou qualquer outro objeto sobre o colchão do berço, pois eles aumentam o risco de estrangulamento ou sufocação acidental. Tenha cuidado com produtos vendidos no mercado que se dizem efetivos para a prevenção da morte súbita infantil, pois, até o momento, nenhum estudo tem demonstrado a efetividade destes itens.

  1. Você poderá oferecer a chupeta, pois ela ajuda a reduzir o risco de SMS.

Se o bebê estiver se alimentando no seio, espere até que o aleitamento materno esteja bem estabelecido para iniciar a utilização da chupeta. Isso habitualmente leva de 3 a 4 semanas.

Se o bebê não aceitar a chupeta, não se preocupe. Alguns bebês não gostam dela. Caso ela caia da boca durante o sono, não é necessário recolocá-la.

Por segurança, não prenda a chupeta à roupa do bebê e, para reduzir o risco de engasgo e sufocação, não use chupetas com objetos atados a ela, tais como bicho de pelúcia ou outro brinquedo.

  1. Coloque o bebê para dormir no mesmo quarto que você até ele completar 1 ano (ou, no mínimo, até ele completar 6 meses). Isso reduz o risco de SMS em até 50%.

O ideal é que o berço esteja ao alcance dos seus braços quando você estiver deitada. Além disso, nunca deixe o bebê dormir na mesma cama que você pois ao entrar em um estado profundo de sono você pode rolar sobre o bebê e não acordar. Lembre-se: durante a fase de sono profundo nós não despertamos.

  1. Não agasalhe demais seu bebê. Use, no máximo, uma peça a mais de que você usaria em você.

Se você observar a presença de suor ou sentir o peito do bebê quente, ele poderá estar muito aquecido. Esta condição aumenta o risco de SMS.

Importante: mantenha a temperatura do ambiente agradável.

  1. Se você for fumante, não fume dentro de casa, no carro ou próximo ao seu bebê, mesmo em áreas abertas.

Além disso, não ingira bebidas alcoólicas e nem use drogas durante o período de amamentação.

Caso faça uso regular de alguma medicação, converse com seu pediatra sobre o risco de passagem do medicamento para o leite materno e para o bebê.

  1. Amamente exclusivamente no seio até o 6o mês de vida.
  2. Vacine seu bebê conforme o calendário oficial. Porém, vacinas fora desse calendário poderão ser recomendadas pelo pediatra.

 

Fonte: Lúcio Flávio Peixoto de Lima – Coordenador equipe UTI Neonatal e Pediátrica
CRM: 71.759

Postado em Notícias por Comunicação Hospital Sepaco