Faça sua busca
Pesquisar no site

12 de novembro de 2018

No dia 17 de novembro comemora-se o Dia Mundial da Prematuridade, criado para destacar a importância do tema no Brasil: no país, cerca de 12% dos nascimentos são prematuros, o dobro do índice de países europeus. Em outras palavras, 340 mil bebês nascem prematuros por ano, o equivalente a 930 bebês prematuros por dia.

Em todo o mundo, são aproximadamente 15 milhões de nascimentos de bebês prematuros e de baixo peso por ano, e cerca de um terço deles morrem antes de completar um ano de vida.

Com o intuito de conscientização para os problemas da Prematuridade, o mês de novembro foi designado Novembro Roxo, um mês inteiro dedicado à realização de campanhas e ações em favor dos bebês prematuros.

Os prematuros não são apenas bebês com baixo peso mas também crianças com alto risco de problemas de saúde e sequelas, com necessidade de atendimento em UTIs especializadas com tecnologia avançada, equipe multidisciplinar e especialistas médicos além do neonatologista, como neuropediatra, cardiopediatra, cirurgião pediátrico, oftalmologista.

O Sepaco possui uma unidade exclusiva para atender aos casos de prematuridade neonatal. Com 25 leitos, a UTI Neonatal do Hospital Sepaco possui serviços especializados e estrutura preparada além de atendimento multidisciplinar e de enfermagem prontas para o atendimento recém-nascidos de alto risco.

Quanto mais prematuro, mais riscos

Para controlar e reduzir os índices de prematuridade são essenciais medidas de saúde pública, dentre elas o pré-natal adequado. Um acompanhamento minucioso da gestação identifica riscos, ajuda a controlar doenças comuns na gestação, como hipertensão arterial, diabetes e infecção urinária, muitas vezes responsáveis pelo desencadeamento do parto prematuro. Além disso, deve-se prevenir a gestação na adolescência, outro fator de risco para a prematuridade.

Além das medidas de prevenção, é extremamente importante disponibilizar um atendimento adequado para esses bebês. Isso exige estrutura hospitalar, equipe médica, enfermagem, fisioterapia e fonoaudiologia, garantindo um desenvolvimento adequado e tratamento de doenças associadas a prematuridade.

Muito ainda precisa ser feito pela prematuridade no Brasil. No dia 17 use qualquer adereço roxo demonstrando apoio a causa dos bebês prematuros.

 

Renata Castro – Coordenadora Médica Assistencial da UTI Neonatal
CRM: 126.380

11 de outubro de 2016

Small baby bathing in a shallow tubSão muitas as perguntas que papais e mamães se fazem quando vão dar banho no seu bebê, até mesmo para os que já têm experiências com crianças pequenas. É muito comum que os sentimentos de ansiedade e insegurança surjam, mas o que fazer e como?

Para os recém-nascidos, durante as duas primeiras semanas de vida e até a primeira ida ao pediatra, a indicação de banho em dias intercalados já é suficiente, principalmente durante o inverno por causa das baixas temperaturas registradas. Mas, esta condição só é válida se for feita uma boa higiene das mãos e do rostinho várias vezes ao dia e, principalmente, que a área da fralda esteja sempre bem limpa para não haver contaminação por bactérias. Outra medida importante é realizar a limpeza do coto umbilical todos os dias.

– Participe da visita assistida à maternidade
– Inscreva-se no Curso de Orientação à Gestante

Já os mais velhos podem ter o banho como parte da rotina diária.  Esse processo deve ser feito somente com água morna em quantidade suficiente para cobrir os bebês menores até os ombros e, para aqueles que já sentam, a água não pode passar a linha da cintura. Antes de colocar a criança na água, é preciso verificar a temperatura, que precisa estar em média entre 37º e 38ºC. Existem termômetros próprios para isso, mas a dica é colocar a parte inferior do antebraço e verificar se a temperatura está morna.

Os primeiros banhos não precisam ser longos e podem ser realizados antes de dormir, assim a criança relaxa e descansa melhor. O processo é simples: segure a cabeça e as costas do bebê com firmeza ao lavá-lo e remova delicadamente qualquer sujeira ou pele solta que possa estar acumulada. Caso queira usar sabonete e shampoo, não se esqueça de dar preferência aos produtos neutros e enxágue bem para que não apareçam alergias.

Não se surpreenda se seu bebê chorar nos seus primeiros banhos, afinal ele apenas estará reagindo a uma sensação inteiramente nova e aprendendo a se adaptar a temperaturas diferentes. Mas atenção, mamãe e papai: apesar de todos esses cuidados, ainda é preciso lidar com a criança que fica escorregadia, se contorcendo e, às vezes, gritando. Nada melhor que a prática diária e, em breve, o banho será um momento de descontração e muitas brincadeiras.

Outro alerta importante é nunca deixar o bebê sozinho durante o banho para evitar afogamentos.

20 de junho de 2016

Cleaning umbilical in a newborn babyUma das principais preocupações entre os pais de primeira viagem é a limpeza do umbigo do recém-nascido. Além da higiene necessária, é preciso ficar atento para ver se há algum sangramento, inflamação ou se tem algum tipo de secreção.

Fique atenta: inscreva-se no Curso de Orientação À Gestante do Hospital Sepaco

A parte do cordão umbilical que fica no corpo é uma porta de entrada para infecções. Por isso, deve-se tomar o máximo de cuidado possível. A orientação básica é efetuar a limpeza pelo menos três vezes ao dia ou sempre que aparecer alguma secreção. Esse procedimento pode ser feito usando hastes flexíveis e álcool 70%, sempre em movimentos circulares, para retirar qualquer sujeira que possa estar acumulada.

Um dos maiores receios dos pais é machucar o bebê durante esse processo, porém, como nesse local não há terminações nervosas, a criança não sentirá dor, apenas um friozinho por conta do álcool. Essa higienização deve ser repetida até a queda do coto umbilical, que normalmente acontece entre sete e 15 dias.

Na maioria dos casos, a cicatrização completa demora cerca de 10 dias e, durante esse período, é possível que apareça um pouco de sangue na fralda ou uma carne esponjosa na região do umbigo. Se não houver mau cheiro ou sinal de infecção, os pais podem ficar tranquilos, mas se notarem alguma alteração, o alerta é para que o bebê seja examinado rapidamente pelo pediatra para identificar e tratar o problema de forma adequada.