Pesquisar no site

Saúde e Bem-estar

Confira dicas de saúde e bem-estar para as gestantes.

Durante a gestação, é comum se deparar com inúmeros palpites sobre a alimentação da futura mamãe. Parceiro, amigos e familiares estão sempre cheios de sugestões, mas nem sempre sabemos o que realmente é verdade e o que é permitido ou não comer ao longo dos nove meses.

Aquela velha história de que grávida não deve se preocupar com a balança, por exemplo, é o primeiro item na lista dos mitos. O ganho de peso gestacional recomendado está vinculado ao estado nutricional da mãe antes da gestação.

Entre tantos conselhos, fica difícil designar o melhor para mãe. Por esse motivo, O Espaço da Gestante relacionou as principais dúvidas sobre a alimentação nessa etapa tão importante da vida. Confira:

Quanto maior o peso da mãe, maior será o bebê?

Mito. Um aumento excessivo de peso da mãe, não significa que o bebê nascerá maior, e sim que há probabilidade da mãe e do bebê desenvolverem algumas doenças como: diabetes, hipertensão e obesidade.

A gravidez pode aumentar as chances de que a mãe fique resfriada?

Verdade. O sistema imunológico da gestante trabalha de forma menos agressiva na gestação para não rejeitar o bebê, consequentemente algumas mães podem ficar mais resfriadas, por isso é importante manter uma alimentação equilibrada e variada, que deve incluir diariamente cereais integrais, frutas e verduras, além de no mínimo oito copos água ao dia.

• Existem alimentos que não podem ser ingeridos durante a gravidez?

Verdade. Existem alimentos que não são recomendados nessa etapa, entre eles, cafeína, carnes, peixes e ovos crus ou mal cozidos, além de leite ou derivados não pasteurizados (processo que destrói germes e bactérias).

• Gestantes não podem tomar vinho?

Verdade. O consumo de bebidas alcoólicas na gestação pode provocar atraso mental, hiperatividade, dificuldade de aprendizagem, entre outros problemas no futuro do bebê. Os benefícios do vinho tais como, evitar o envelhecimento precoce, prevenir doenças cardiovasculares e reduzir o risco de câncer, podem ser encontrados também no suco de uva.

A mãe deve consumir vitaminas extras durante a gravidez?

Verdade. A mamãe deve lembrar que está cuidando de duas pessoas ao mesmo tempo. Desta forma, a exigência de vitaminas e minerais são maiores. A suplementação na gestação é necessária, mas deve ser indicada por um nutricionista ou médico.

Fique atenta a essas dicas para que a gravidez flua mais tranquilamente, garantindo a saúde da mamãe e do bebê.

A preparação do corpo pode ser feita com a prática de exercícios bem simples, que trazem grandes benefícios com pouco esforço. Veja algumas dicas:

Exercícios de Kegel

Os exercícios de Kegel são pequenas contrações internas dos músculos que compõe o assoalho pélvico, ajudando a suportar o útero, a bexiga e os intestinos. Desta forma, é possível prevenir as hemorroidas, além de facilitar a cicatrização, caso a mamãe leve pontos no períneo durante o parto.

Como fazer?

Contraia os músculos em volta da vagina, como se estivesse interrompendo o fluxo da urina, sem contrair o abdômen, os glúteos e os músculos das coxas. Segure durante cinco segundos e depois, solte. Repita esse procedimento 10 vezes. Com isso, muitos desconfortos que costumam aparecer ao final da gravidez serão aliviados como, por exemplo, o vazamento de urina.

Movimento Pélvico ou “Postura de Gato”

Feita na posição de “mesa”, esse exercício fortalece os músculos abdominais e alivia a dor durante o parto.

Como fazer?

Apoie os joelhos no chão, diretamente sob os quadris e as mãos na mesma distancia dos ombros, mantendo os braços esticados. Inspire e contraia o abdômen e glúteos, elevando as costas em forma de arco e solte o ar devagar, até voltar à posição neutra.

Agachamento

A fim de facilitar a saída do bebê, um dos exercícios mais simples e recomendados durante toda a gravidez é o agachamento, que pode abrir a saída da pélvis entre 0,5 cm e 1 cm. Essa prática ajuda a fortalecer os músculos que serão trabalhos na hora do parto.

Como fazer?

Encoste as costas em uma parede, com a coluna ereta, braços relaxados, pés deparados e alinhados com os ombros. O próximo passo é deslizar pela parede para baixo, mantendo a posição por cerca de 10 segundos e voltar para a posição inicial.

Além dos exercícios propostos, a grávida deve estar em um ambiente calmo, com pouca luminosidade e pensar positivamente, acreditando nos resultados positivos que terá com esse método. Tudo para receber da melhor maneira, o filho que está por vir.

A amamentação é muito mais que simplesmente o ato de alimentar o bebê. Essa é uma das melhores formas de desenvolver o relacionamento entre mãe e filho, além de ser a melhor e mais completa dieta nos primeiros seis meses de vida. Após esse período, a mamãe pode complementar com outros alimentos.

Esse ato traz benefícios para a mamãe e para o bebê. Um bebê amamentado no peito pode evitar durante sua vida doenças como obesidade, diabetes, hipertensão e, além disso, devido à concentração do ferro no leite materno ser bem maior que em qualquer outro tipo de leite, as chances de adquirir anemia são menores, por não precisar desse complemento.

Quanto a mamãe, pesquisadores da Espanha descobriram que as mulheres que amamentam seus filhos por mais de seis meses são menos susceptíveis a desenvolver o câncer de mama. E para a alegria das futuras mamães, a amamentação dá a sensação de bem-estar, relaxamento e também ajuda a emagrecer, pois consome em média 900 calorias por dia.

Por fim, um dado importante: amamentar é grátis. Não é preciso gastar com fórmulas inovadoras ou marcas de leites caras. O que seu bebê precisa, está em você! Por isso, não fique preocupada se está amamentando em locais públicos ou se está alimentando da forma correta ou não. Pouco a pouco, é possível descobrir as maneiras de saciar o recém-nascido, tornando único cada momento.